História

PARTE 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8

  Para sua grande tristeza ao retornar a seu lar em Tanabe, recebeu a notícia do falecimento do seu pai. Diante da perda de um dos entes que mais ornava na vida e para sair fora do estado mental em que se encontrava, como se estivesse em um beco sem saída, decidiu avançar nos propósitos de sua vida e desvendar os segredos do budô.

  Foi a partir desse momento que a vida do Fundador transformou-se grandemente. Para meditar e orar vestia-se de traje branco, subia ao alto de uma rocha e ali se quedava em profunda meditação e orava. Outras vezes, caminhava sozinho pelas montanhas e, não raro, ajoelhava-se e orava continuamente preces shintoístas. Antigos amigos que não conseguiam compreender os problemas pelos quais passava o Fundador acreditavam que ele estava perdendo o juízo.

  Depois de 1916 suas recordações o levavam a pensar no Mestre Deguchi a quem encontrara anteriormente e por sua causa transferira toda sua família para Ayabe. Buscava uma iluminação para seu coração. Fez de uma casa ao pé de uma montanha sagrada de Ayabe o seu lar. Ali ele ensinava Jujutsu e estudava ativamente como Reverendo Deguchi até o ano de 1926.

  O Reverendo Deguchi defendia o princípio de que a o homem é portador do amor e da bondade e tinha como objetivo unir o mundo moral através da religião. Sonhava construir um reino de Paz na Mongólia, com o poder da união das novas religiões, livre da servidão aos velhos costumes, a fim de realizar a prosperidade mútua do Oriente. Com esse propósito o Reverendo Deguchi estabeleceu contato com a Putienchia, religião da Coréia e com a religião chinesa Taoyiian.

FEPAI - Federação Paulista de Aikido - 2008 - Designer: kátia numakura